segunda-feira, março 02, 2009

Poisé...

Por ironia, só fui notar a janela aberta depois que a chuva parou... lá se vai o vestido que deixei estendido no parapeito, beleza.
Assim que tudo mergulha no silêncio e aconchego de um dia nublado, pergunto-me porque, mais uma vez, fui parar lá......... deixando que aquele sarcasmo latente me afete again, and again, and again. Não que me arrependa, apenas questiono: o que pode haver de tão sedutor em meio assuntos tão banais e linguagem relativamente simplista?... é a história... e o prazer de provocar a própria consciência, não necessariamente o interesse...

E agora que descanso minha cabeça sobre o joelho direito, fico resgatando memórias dispersas de um fim de semana muito contrastante no seu ápice, entre ataques de risos, amor compulsivo, mais sushi, festas, a tequila ordinááária, e o broxante domingo, com dores de cabeça, pílula perdida, derrota do grêmio e uma despedida custosa... So what? Dor passa e derrotas se esquecem. Tudo acaba, cedo ou tarde, em prazer... e admito que viver assim me inspira a um constante solve et coagula de idéias em busca da minha pedra filosofal... (deep trough)


felicidade é realmente algo muito espontâneo.