quarta-feira, julho 22, 2009

Que diabos...

Sonhei com uma máquina gigantesca que reproduzia atividades físicas em menor escala de um outro lugar do universo através de uma abertura espaço-temporal controlada por enormes extruturas as quais eu não compreendia muito bem o funcionamento. Logo após, extraterrestres de aparência repugnante, com olhos grandes, crânio avantajado e pele marrom viscosa, invadiram o local do projeto para sequestrar os humanos envolvidos no esquema para impedi-los de levarem o experimento adiante. Eu estava no meio dessas pessoas... mas aconteceu que quando um dos extraterrestres foi atrás de mim, enfiei um lápis que estava em meu bolso no olho dele e fugi por uma repartição que dava acesso ao nível superior onde estavam vários executivos e mulheres semi nuas... No final, eu encontro o Rapha que também estava entre os fugitivos e de repente estamos num lugar parecido com o porão do Beco reclamando da cerveja que os executivos compraram... não era Polar.

Eu não sei de onde meu cérebro tira ideias para deixar minhas noites de sono mais interessantes, só sei que ele se puxa.

2 comentários:

Renato Alt disse...

Haha...
Quisera eu lembrar com essa riqueza de detalhes dos sonhos que tenho. Tomara que seu cérebro continue fornecendo toda essa matéria-prima pra nós, seus leitores! ;-)

Pâmela Martini disse...

Certo! O segredo é assim que acordar procurar se lembrar de tudo, porque depois tu te lembra da lembrança do sonho e consequentemente do sonho... haha... que feliz eu.

=D