quinta-feira, junho 24, 2010

Um velho professor


(Carl Segan, 1934 - 1996)
Hoje eu quase chorei revendo a última entrevista do Carl Sagan, em maio de 1996, no Charlie Rose. Por ironia do destino, eu só o "conheci" um ano depois de sua morte (uma garotinha de 9 anos, fascinada por enciclopédias ilustradas, vidrada na telvisão enquanto ouvia histórias sobre dinossauros e buracos negros, em algumas fitas vhs, da série Cosmos, que minha mãe alugará, depois de eu insistir muito), e por ironia maior, o primeiro livro que li dele, foi exatamente o seu último: "O mundo assombrado pelos demônios", muito, muito bonito. Tenho certeza que não sou a única que sente isso por uma pessoa que desde cedo fora fascinada pelos enigmas do universo, ainda tão desconhecido e intocado pelo homem; dedicada ao seu trabalho, seus ideais de disseminação do conhecimento cientifico para todas as massas, de maneira acessível, suas contribuições e descobertas astrológicas, principalmente relacionadas aos nossos planetas vizinhos, sem contar seu extremo carisma e humildade, bastante raros se compararmos com outros divulgadores da ciência, como Laurence Kraus, por exemplo (que sempre me soou um pouco arrogante e cínico), e tantos outros. Penso em Carl Sagan como um ícone eterno relacionado à ciência, com seus ares discentes, voz suave, aquela costumeira gola alta e uma 'consciência universal' a frente da nossa. Enfim... todos temos nossos ídolos.

E quando cito ele, em conversas despretenciosas, sempre acrescento euforica: "ele certamente está ultrapassado em vários aspectos, se comparado com os avanços de hoje, mas estou decidida de que será ele quem iniciará meus filhos cientificamente, assim como aconteceu comigo."

Fica aqui a minha recomendação de leitura do dia.

2 comentários:

Ana Roberta disse...

eu gosto muito mesmo das idéias dele. e também "o mundo assombrado pelos demônios" foi o primeiro livro do Segan que li.

Pâmela Martini disse...

que ótimo!

^^ sua minhoquinha de livros.