sexta-feira, outubro 14, 2011

I'm a bitch-bitch-bitch

O dia começou cedo, comigo sentada em meio uma mansão na zona sul, com cara e roupa de solteirona rica, dirigindo 5 figurantes que carregavam móveis, como uma convicta arquiteta-decoradora-de-ambientes-com-20-anos-de-experiência. Não é difícil encarnar o estereótipo, pois nesse mundo de propaganda, ninguém quer atores e sim pessoas facilmente assimiladas pelo público.
"Então, você é uma menina estilosa, descolada, que ta adorando ler essa revista."
"Você é a mãe protetora e bem resolvida, abraça o maridão, não esqueça de amar o seu filho."
"Seu papel é simples, apenas precisa encarnar a psicodélica-locona-de-bem-com-a-vida que ama tecnologia e um loro moderninho."
"Tu é a lider da banda, com atitude, e jeito de menininha mas sabe que é gostosa."
"Você está amaaando pular feito uma gazela com essas botas..."
"..."
É tudo já conhecido, mastigado, regurgitado, pra que ninguém precise pensar pra entender a mensagem. Esse é o espírito do sucesso fútil da publicidade. E a fonte da minha grana fútil no final do mês.

Agora com sua licença, a darkzinha-anti-social-pseudo-erudita-carrancuda-vendedora-de-ácido irá odiar não encontrar a roupa certa para vestir hoje a noite e beber. Beber até o sentido de tudo desaparecer e a mente ceder à espontaneidade de sua natureza despida de critérios (vulgo: ficar beuda).

6 comentários:

Anônimo disse...

tu vende ácido?

Martini disse...

não, só falaram que eu tenho cara de vendedora de.... aaaaaaaaaah, era vendedora de bala, não doce!

Stregoica disse...

Fico pensando como seria complexo estudar artes e ganhar a vida sendo modelo, quantos dilemas bizarros e nóias apareceriam, talvez me perderia em contradições por perceber que faço parte de discursos alienadores e ao mesmo tempo tento ensinar/incentivar pessoas a perceberem que imagens não são ingênuas (tipo: trabalho para um sistema por necessidade, mas demonstro ser contra ele); conflitos de beleza e feiúra; estereótipos impostos pelas imagens que ajudamos a construir; estereótipos impostos por causa de julgamentos supérfluos dos outros; perspectiva de um artista que sabe como é ser modelo... tenso isso.
bom, mas esse não é o meu caso e isso provavelmente não te interessa... comentei por comentar. Só sei que no final(de todos) tudo acaba do mesmo jeito, na bebida ou em alguma coisa do genero. AhuahuaHUAHU

gosto de te ler, sempre me faz pensar em coisas divertidas e perspectivas diferentes.

Martini disse...

LEIA ISSO? http://goodbyevelveteenkiss.blogspot.com/2010/04/beleza.html

eu nunca tive duvidas sobre as minhas próprias verdades uma vez que as descobri. :*

ganhar dinheiro nem sempre está ligado aos teus ideais, e eu não me importo em ser mais uma hipocrita aos olhos dos outros se isso me fará ter grana pra pagar minhas contas. simples assim.

Stregoica disse...

Li. respondeu algumas coisas. :)

"eu nunca tive duvidas sobre as minhas próprias verdades uma vez que as descobri."

Não duvido, mas estamos sempre reescrevendo nossas verdades e nos reinventando a cada experiência vivida, e esse confronto de ideais (teus com os dos outros), que parece ser mais recorrente para ti, é que deve ser tenso. (seria para mim). Não que tenha duvidas sobre minhas verdades, mas acho que seria cansativo ter que aturar pré julgamento e comentários, EU não teria muita paciência.. sei la, mas daí to vegetando em possibilidades que não são as minhas entende?
Eu não consigo ser totalmente alheia a sociedade, infelizmente muita coisa me afetam ainda. falta mais maturidade eu acho. *mas como eu disse isso não interessa.

Ei, uma pergunta, tu se sente satisfeita com o trabalho que tu tem? não digo financeiramente...
*desculpa por estar sendo metida, mas sou movida pela minha curiosidade*

Felipe disse...

Great writing skills, I love it.