quarta-feira, abril 03, 2013

Um brinde à apatia


Nada é surpreendente frente o raciocínio de que tudo está conectado e tudo segue uma lógica, e que, indiferente do que houver entre o início e o fim do processo, cedo ou tarde ele será concluído. Qualquer forma de vida será extinta se ela não conseguir se adaptar, ou se os recursos que a sustentam terminarem. Somos todos parte deste processo, não somos menos sucetíveis a ele por possuirmos consciência... muito pelo contrário, a consciência nos proporciona uma vontade interminável de querer entender as coisas e de dar explicações subjetivas para todas as sensações e estímulos abstratos que geram reações inesperadas (ou nem tanto) em nossa psique. Os sentimentos, tão supervalorizados, simples relações entre a nossa consciência como indivíduos e nossos instintos como espécie. Somos muito mais sucetíveis e frageis. E independente de quando, ou como, nosso desfecho é facilmente premeditado.

E em todas as possibilidade pessoais de vida... eu acabei não encontrando motivação pra continuar fazendo parte desse mundo.

Não há tristeza, nem felicidade, nem nenhum tipo de estímulo.

Apenas a ausência de todas as coisas que tornam uma pessoa, "humana".

Só me resta ter medo de um afterlife tenebroso e assustador, para que eu me mantenha viva. Usar a espiritualidade como forma de incitar o instinto de auto preservação. How ironical can this be?

Nenhum comentário: