sábado, novembro 29, 2008

Need something new

Need something new

4 comentários:

priscila disse...

idem.

Isa Belle disse...

Que bom te ouvir.
Por aqui faz sempre frio, as vezes no meio do dia frio chove, as vezes sai um sol forte. Amo o sol, mas fujo dele. Sou mais uma sombra. Gosto da noite, mas a paulistana é algo estranho, o céu sempre encoberto, meio Gotham.
Novidades são coisas que sempre busco. Quando estive na Turquia, não levei nem mapa nem dinheiro. Só tinha uma camera e minhas pernas. Dormi na rua ou no mato em alguns momentos. Foi interessante. Um dia, estava na costa turca, depois da pop ´troia´(todos da cidade odiaram o filme, é um lugar muito pacato e adoravel)em um lugar perto de Alexandria(da Jonia) quando resolvi dormir em frente ao mar. só levei saco de dormir(barraca é algo muito pesado pra uma viagem de dois meses). Tava um frio enorme, era muito tarde, eu estava numa praia deserta de frente pro mar Mediterrâneo... completamente perdido ... já meio cansado...
Tentava dormir, mas não sabia o que era melhor, o sono ou a dormencia que o frio causava. Resolvei tentar dormir... quando vi, estava CONGELANDO! E pra ter força pra sair dali? quase que escolho congelar... mas estou aqui escrevendo pra esta pessoa que admiro mas nunca vi. Já vi algumas coisas legais... o Nirvana, uma vez o ví quando ele estava no brasil, digo, vi o Cobain num bar que chamava ´Der Temple´. Nessa época eu ainda escolhia a roupa que usava. Eu tinha um cabelo enorme e amava Pixies. Continuo amando pixies, mas já corto meu cabelo (eu mesmo) há mais de 10 anos. Já que alguem tem que fazer um estrago, que seja eu! As vezes eu acerto o corte, outras fico esperando que cresça logo pra ´corrigir´.
Do meu cachorro eu tb cortava, mas dá um trabalho enorme.. demora uma semana..
Aqui em sp a novidade esta nas ruas, como tudo muda muito rápido e muitas vezers, isso vira algo um tanto quanto monótono.
Talvez por isso eu trabalhe com arqueologia, procurando algo que não seja antigo no que é novo. Mas no fundo são imperios quer nascem, crescem e desaparecem. Com suas músicas, seus poemas, suas histórias, seus amores, suas guerras.... milhares e milhares de historias diferentes.
Imagine um filosofo grego, por exemplo Aristóteles em Assos (turquia) e agora veja o quanto real é um brasileiro (com cara de gringo) perdido(e feliz) nesta mesma cidade! Porem hoje é um lugar elitizado, até escutei bossa nova em um bar lá. Me hospedei em uma casinha simples e aconchegante, mas vi hoteis caríssimos que eu só entrava e perguntava o preço pra poder rir um pouco.
Aqui chove e eu escrevo pra ti sem parar. Desculpe se não consegui ser mais breve..

Isa Belle disse...

troque a palavra ´real´ por ´surreal´

Mharyhana disse...

aqui